domingo, abril 01, 2007

Ao Contrário das Ondas, leitura de Abril

"Ao Contrário das Ondas", é um romance com pouco mais de 100 páginas, intimista e ousado, sobre os sentimentos. Procura descer ao fundo da condição humana e aborda o amor, o tempo e a liberdade. Faz o ponto da situação da geração de 60 que viveu a euforia do sonho, da utopia, e hoje vive o desencanto de um tempo que sente não ser exactamente o seu tanto no país, como na esfera política e na esfera da intimidade. Ao amor, segue-se o divórcio e “os casos” que se mantêm mais para contrariar a solidão do que para sentir verdadeiramente a vida. Faz-nos reflectir sobre "o capitalismo neoliberal", e as suas teses que desenvolvem a lógica do êxito e do “rendimento” e põe em questão o futuro das sociedades actuais.
O livro estrutura-se em quatro partes. Cada uma dá voz a uma das quatro personagens principais do quadrado amoroso do romance. Três das personagens são caracterizadas com muito rigor… A quarta surge em esboço e no pensamento das outras três. Segundo o autor, "as privatizações contrariam o sistema socialista e a Democracia", cabendo aos cidadãos "fazer frente ao que parece inexorável, mesmo que para isso tenham de sofrer duras consequências", como sucede a algumas das personagens do livro. "A globalização capitalista parece hoje ser o único caminho, apesar de conduzir à desigualdade e à injustiça, mas é possível fazer-lhe frente” e o sentido do título é precisamente esse: ir contra as ondas. Neste cenário de convulsões políticas, o autor inscreveu as vivências das personagens que, no momento actual, "olham para o passado", e observam "as máscaras usadas ao longo do tempo" e o conflito que continua a instalar-se "entre as suas ambições e os seus ideais". As palavras de Urbano pintam o retrato da nossa gente, do nosso país. Reflecte-se muito neste livro o desejo de remar contra a maré, como o próprio título diz, ir “Ao Contrário das Ondas”, e mergulhar profundamente nos sentimentos. Gostei muito da leitura deste romance pela sua actualidade e revi-me com assombro em algumas das suas páginas. A prosa de Urbano Tavares Rodrigues, um mestre, é elegante, fluente e muito segura. Ao longo de todo o romance sente-se o domínio absoluto da narrativa.

“O Lívio não gosta do quarto dela. Teve disso a prova hoje. Aliás foi um dia para esquecer.
Nunca lhe tinha feito qualquer crítica ao estilo rocaille do mobiliário nem aos tons de rosa da decoração e da cama, da colcha, tudo muito vaporoso, muito doce. E ontem, de repente, tinham feito amor, estava Mafalda a repousar nos braços dele, numa posição cinematográfica, saboreando aquele cansaço ainda voluptuoso, e o Lívio (só decorreram uns instantes), como se nada se tivesse passado e nada sentisse, pergunta-lhe:
- Quem é que te deu a ideia de decorar assim esta alcova… tão mimosa?
Soou-lhe como ele lhe dissesse: “Isto parece um quarto de puta.”
- São gostos, Lívio. Eu gosto, tu não gostas, pronto.
- Não é que não goste, mas prefiro decorações mais sóbrias.
- Achas Kitsch?
- Talvez. O Kitsch também tem o seu encanto. Mas não condiz com a tua personalidade.
- Tens a certeza? Às vezes penso que não me conheces, apesar de tantos anos de convívio.
Estava já quase abespinhada.
Ele mudou de tom.
- Pode ser que tenhas razão.
Resolveu castigá-lo com um silêncio magoado.
O Lívio preferia a primeira casa que ela teve na Graça, que ficava numa rua do género provinciano, lojas pequeninas, retrosarias, ferragens, artigos eléctricos, uma barbearia inverosímil com espelhos dourados, cheios de sujidade, inclusive de moscas (mas achavam-na digna de ser filmada como relíquia) e até vivendas, que eram de vez em quando assaltadas. É certo que tinha vistas cheias de luz sobre a encosta da cidade antiga, de um lado até ao Hospital de S. José e ao vale do Rossio, cintilante na estátua e nas mansardas, e do outro lado as ruínas do Carmo. Muitas noites iam para a varanda e olhavam o reflexo nas janelas, a harmonia pombalina da Baixa.”

In “AO CONTRÁRIO DAS ONDAS”, Urbano Tavares Rodrigues, Publicações D. Quixote, Novembro de 2006, pág 64/65 de 125
Boa leitura!
BEIJOS

6 comentários:

Kalinka disse...

E, como diria, na onda dos meus posts:APETECE-ME...eu digo, APETECE-ME LER ESTE LIVRO.
Muito obrigado pela divulgação.

A semana foi atribulada; começou muito mal, aos poucos foi melhorando... e, ontem, sábado culminou no melhor possível.
Uma Amiga da blogoesfera que tinha conhecido há 2 semanas quando visitei o Algarve, sabendo do meu estado depressivo, ofereceu-se para ser minha companheira para um dia de lazer... que bom que foi, lógico que aceitei, é de muitos momentos como os de hoje que eu preciso.
...e, peço a Deus que pela minha vida fora eu encontre outras Antónias, Suzetes e outras Ivones como as genuínas que ontem conheci e, o bem que me fez estar na companhia delas.
Ofereço a elas e a todas as mulheres do Mundo, estas belas flores.

BOM DOMINGO.

NOTA: estou a divulgar o «Jantar da Primavera» que se realizará dia 14 de Abril.

António disse...

Querida Papoila!
Li umas coisas do Urbano Tavares Rodrigues quando era novo e ele um jovem escritor.
Agora já está velhote mas parece que continua a escrever bem.
Se gostaste, é bom sinal.

Obrigado pelo comentário à minha história "Um encontro inoportuno".

Beijos meus

jpg disse...

Boa "dica" para um bom autor alentejano!

Bjnhs.

ANKH disse...

Anotada está a sugestão.
Fica aqui o convite para que leias no Simbolo da Vida mais um texto de Gibran, com palavras que sei vais gostar.
Grande Paz!
Ankh

Rute disse...

Olá Maria papoila,
passei para te dar os parabéns pelo 1º lugar no concurso da Ana e também para agradecer a dica de leitura.
Beijos e boa semana.

brisa de palavras disse...

Às vezes parece que andamos mesmo ao contrário das ondas....
um abraço
brisa de palavras