segunda-feira, julho 20, 2009

naveguei por mil mares...

Naveguei por mil mares, e passei todas as tormentas. Atravessei desertos com a alma sedenta. Lutei contra dragões e soldados que não valiam a pena…Semeei e colhi mesmo nas piores colheitas, nunca neguei o destino, porque estava escrito nas estrelas…Sem dúvida, a este Deus não lhe basta ver-me prosseguir, ele quer mais e mais e sempre me vai pedir mais… Invoquei as forças do além a pedir socorro por falta de piedade, conjurei os feitiços de protecção convoquei as forças da natureza para que elevassem o meu ser. Cada espaço foi coberto com específica sabedoria e divindade. Mas nada é suficiente. Há sempre mais para dar…Eis-me aqui neste cataclismo, aqui no meio do tornado, sinto girar tudo ao meu redor, mas permaneço estática a olhar em frente, não fui absorvida pelos ventos, sou testemunha disto que não sei o que é… Uma tarde tive um pressentimento… “não importa o preço a pagar, quero regressar a mim, saberei o que fazer”… e assim foi, mas não alcancei, nada de tudo o que se pode humanamente alcançar… vejo como o furacão destroça tudo comigo no meio, muito tonta, sem poder fazer nada. Nunca pude não fazer nada, nunca me permiti ficar a esperar mas observo como arrasa tudo á sua passagem. Fiz uma oferenda pensando num bem, agora pago as consequências por julgar -me superior à natureza. Vou esperar que o temporal passe e evitar que me arraste com ele… Se o conseguir, vou ser uma sobrevivente... e acima de tudo, terei aprendido uma grande lição… não quero magoar-me de novo a ouvir… “Não sabes o que é o amor!”

A Papoila vai fazer um intervalo! Se clicarem nos selos ao lado têm informações importantes sobre os comportamentos adequados para todos contermos o avanço da pandemia da Gripe A, quer a nível individual, quer colectivo. Neste sentido podem visitar também o Microsite da Gripe em http://www.dgs.pt/
Até breve!
BEIJO MEU PARA TI!
BEIJOS!!!

25 comentários:

Å®t Øf £övë disse...

Papoila,
Não tenho a minima dúdiva que serás desde já uma sobrevivente, independentemente do tipo e da força da tempestade por que terás de passar.
Vou por isso aguardar ansiosamente pelo teu regresso ao nosso convívio, e não te esqueças que nos fazes falta... sempre.
Bjo.

Ana Martins disse...

O texto está está magnifico, conseguiste fazer-te entender, também não duvido que serás uma sobrevivente, aguardo pelo teu regresso.

Beijinhos,
Ana Martins

Peter disse...

Volta breve e "recuperada".

Eu continuo pelos allgarves e com pouco tempo para visitar os blogues amigos.

poetaeusou . . . disse...

*
és de antanha tempera,
e das cinco partidas do mundo,
és uma vencedora,
,
intervala e volta,
quando achares por bem,
,
conchinhas serenas, deixo,
,
*

O Guardião disse...

Só pela coragem demonstrada no texto já és uma sobrevivente. Um intervalo para descanso e introspecção é natural, e por isso fico por perto aguardando notícias quando elas acontecerem.
Hoje um beijo amigo e um até breve
José Lopes

maresia_mar disse...

Olá

«Desperta, lava de luz o teu rosto.
Canta baixinho uma canção,
que afaste a tristeza e o medo.»

Beijos

Å®t Øf £övë disse...

Papoila,
Vim deixar-te um beijinho.

Pena disse...

Doce e Maravilhosa Amiguinha:
VOCÊ é uma "tempestade" de maravilhar.
Quer percorra caminhos, quer conceba ternura, adoro o que escreve e é.
"Constrói" com suavidade e magistral encanto mágico puro os seus lindos e fascinantes textos.
Quanta doçura, ternura e encanto...
Adorei. Concebe extraordinárias "explosões" de significação literária e pessoal em textos que parecem poesias sensíveis e ternos.
Como a admiro...
Ainda "ofuscado" pela sua dedicada atenção de que gosto imenso nas visitas que me efectua com carinho.
Bem-Haja, pelo ser uma admirável e puro que é...
Com respeito e estima gigantes.
Bem-Haja, amiguinha perfeita.
Beijinhos. "Carradas" deles...
Sensibilizado pelo encanto que "habita" por aqui...

pena


Linda...
MUITO OBRIGADO pela sua amizade.
Adoro-a!

helia disse...

Um merecido intervalo após a publicação deste texto maravilhoso.
Felicidades

Fernando Santos (Chana) disse...

Olá Papoila, belo texto...Espectacular....
Até breve....
Beijos

Iscte 72-77 disse...

A vida tb tem destes momentos, os de respirar fundo, pôr os olhos no além e fechá-los lentamente. Qdo se acordo, está-se noutro tempo, tempo de outras vivências...costumo chamálos fins de ciclo...em cada uma das nossas vidas há vários. Como a Maria Betânia diz...

Chorei, não procurei esconder
Todos viram, fingiram
Pena de mim, não precisava
Ali onde eu chorei
Qualquer um chorava
Dar a volta por cima que eu dei
Quero ver quem dava

Força, amiga e até já...

A imagem é muito bonita, foi tirada do CCB?

O Profeta disse...

Pintei em traços vibrantes
Aprisionei a beleza e a harmonia
Dancei no sabor de irreverentes matizes
Misturei a aurora com o fim do dia

Um violoncelo soltou duas notas sorridentes
Dançaram as cores de forma trágica
Os pincéis inventaram a doçura do teu rosto
Em movimentos de rodopiante mágica


Bom fim de semana



Mágico beijo

Lilá(s) disse...

Que saudades vou ter desta papoila!
Beijinhos grandes.

Menina do Rio disse...

É... também na correia, passo só pra deixar-te um beijinho. Gostei de ouvir O Marcus Viana em Miragem. Adoro essa canção

Fica bem

Dylan disse...

Parece que somos vizinhos.

Parabéns pelo espaço.

mixtu disse...

bem... vamo-nos chatear?

tormentas...

há e muitas...

mas escreve aí, pode ser nas costas de uma receita:
"depois de uma má noticia... vem uma boa..."

verdade ... verdadeira...

não sabes o que é amor...

ninguém sabe...

ele também não sabe

pois é... e a boa noticia é:
o mixtu vai levar o rabanho para ermesinde
yayyaya

até já...

Gui disse...

Querida Papoila, então não é que há mesmo coincidências. Hoje à tarde antes de sair, estive no teu blogue, (já há muito que não faço a ronda habitual), mas como estava com pressa e os teus textos saõ para ser lidos com atenção e saboreados, deixei para o ler quando chegasse ao fim da tarde. Pois é, cheguei aqui e o que encontro? Um comentário da minha querida Papoila. Houve telepatia entre nós. Agora vou ler os teus últimos textos, com a atenção que eles merecem. Até já.

Gui disse...

Um texto fabuloso como sempre. Tão intenso como a tempestade que te assola. mas não há tempestade que te vença. Claro que serás uma sobrevivente e voltarás a ouvir: "não sabes o que é o amor". Mas nessa ocasião já saberás. E saberás destrinçar o amor verdadeiro do amor de "pechisbeque". Um brilhará para sempre, o outro perderá o brilho muito rapidamente. Volta depressa querida amiga. Mais um beijo.

▒▓█► JOTA ENE ® disse...

๏̯͡๏

.....oooO.............
....(....)....Oooo....
.....)../. ...(....)..
.....(_/.......)../...
.............. (_/....
... PASSEI POR .......
.......... AQUI ......
......................


Bjo__fotografado !!

Anónimo disse...

"Não sabes o que é o Amor"... Não acredite nem sofra com isso.

Ninguém pode saber o que o Outro sente com rigor, apenas e só cada um de nós tem a dimensão correta do nosso sentir, seja ele Dor, Tristeza; Alegria ou Amor.

Jamais o verdadeiro Amor pode trazer tristeza, pois Ele não pede nem exige nada em troca. Amar alguém é tão belo e tão simples.

Aproveite esta pausa para respirar fundo, olhar bem o seu verdadeiro "EU", vai encontrar imensas razões para sorrir e ser FELIZ!

Have a good time ...
By
Kiss

Mar disse...

Papoila,

Desejo um óptimo intervalo e um regresso breve, pois então.

beijinhos

mfc disse...

Um abraço muito grande... e um beijo!

O Guardião disse...

Passei e reparei que o intervalo se mantém. Volto em breve para ver as novidades.
Cumps

Å®t Øf £övë disse...

Papoila,
Desejo-te um bom fds.
Bjo.

Brancamar disse...

Olá querida Papoila,

O teu texto é magnífico. Vai e encontra-te contigo.
Obrigada pelos conselhos deixados para a prevenção da gripe A. Sei que trabalhaste muto nesta campanha, é natural que estejas cansada, muito. Aliás deixei-te uma resposta num post meu, porque me está a parecer que trabalhamos muito próximo sem sabermos, hihi, provávelmente no mesmo organismo, embora ele tenha vários prédios e vários departamentos.

Deixo-te beijinhos e espero o teu regresso.