sexta-feira, novembro 02, 2007

Voltar atrás para quê? leitura de Novembro

Irene Lisboa (15 de Dezembro 1892 - Novembro de 1958), natural de Arruda dos Vinhos, formou-se na Escola Normal de Lisboa. Na Bélgica, em França e na Suiça (Genebra onde contacta com Jean Piaget) fez estudos de especialização e torna-se professora do Ensino Infantil na capital, onde viveu e morreu. O seu trabalho é reconhecido, e as suas classes são visitadas por estudantes e professores da Escola Normal, e tornam-se centros de estágio. Como orientadora e inspectora desse grau de ensino, faz parte de um sector dedicado ao apoio pedagógico de professores em exercício. O seu programa é de tal modo arrojado e inovador que é afastada e colocada no Instituto de Alta Cultura até ser convidada a aceitar um lugar na Escola do Magistério Primário em Braga ou a aposentar-se. Opta por esta solução, e renuncia aos cargos públicos. Restam-lhe a imprensa (colaborou nas revistas O Sol Nascente e Seara Nova), as conferências e as suas obras literárias. Com uma escrita intimista, por vezes autobiográfica, foi considerada a maior escritora da segunda metade do século XX reconhecida por críticos como José Régio, João Gaspar Simões e Vitorino Nemésio. Os seus conceitos pedagógicos, a sua personalidade e as suas convicções políticas colidiam com a censura do Estado Novo. Foi meu privilégio conhece-la pessoalmente em criança. Era visita assídua da casa de meu avô materno, a casa da minha infância, onde se alojava quando se deslocava ao Porto. Foi sócia com intervenção activa da Associação Portuguesa Feminina para a Paz. A memória de Irene Lisboa permanece em ruas, avenidas, pracetas e escolas a que deram o seu nome. Trago-vos o seu livro “Voltar atrás para quê?” como sugestão de leitura para Novembro. Nele é posta a nu a alma de uma adolescente. O mundo secreto de um ser ainda frágil e hesitante revelado tal e qual, desde as alegrias e sofrimentos às perplexidades e deslumbramentos. Irene Lisboa com objectividade, segurança e mestria, descreve-nos tudo que se passa no interior da sua heroína, com simplicidade inconfundível e inigualável. Quem será a heroína desta novela que nos aparece agredida e ferida pelo mundo e pelas pessoas? Evidentemente a própria autora… Voltar atrás para quê? Tem um sabor a confissão terrível levado ao limite do sentir que nos empolga e comove. É um grito que vai ecoar sempre dentro de quem o ler. A sua escrita foi comparada a Tchekov, Dostoievsky ou Proust.


***

“Aquele Verão! o primeiro Verão daquela sociedade… e o Outono, e depois o Inverno?
O Inverno naqueles casarões de corredores muito compridos… Até se lhe afigurava ver dançar coisas imperceptíveis mas verdadeiras, assustadoras, espécie de insectos alados e misteriosos, nos cantos onde a luz dos candeeiros mal chegava.
Ela a princípio se queria mostrar arrogante, conservar uma desenvoltura de colegial em férias; não se sentiria destituída da sua anterior posição na família; mas as adventícias foram-lhe baixando a proa. E sabiam-no fazer. Ela era a mosca ingénua, mosca presa na teia de ardilosa aranha."

***


In Voltar atrás para quê?, Irene Lisboa, Editorial Presença, Dezembro de 1994

BOA LEITURA!
BEIJOS!!!

28 comentários:

Meg disse...

Pois é, Papoila,
"O seu programa é de tal modo arrojado e inovador que é afastada e colocada no Instituto de Alta Cultura até ser convidada a aceitar um lugar da Escola do Magistério Primário em Braga ou a aposentar-se"

E era asim que se tratavam as pessoas que tinham ideias, ainda por cima uma mulher!

Para recordar e reler concerteza!

Um abraço

Sophiamar disse...

Para ler com certeza! Uma das grandes mulheres do século XX. E uma mulher assim colidia com os princípios retrógrados do Estado Novo. Porém , outras gerações, outras mentes, outras visões acabaram por recolocá-la no lugar que, por direito, lhe pertencia. Uma boa sugestão de leitura para este mês. Agora encontro-me totalmente entregue ao Rio das Flores.

Beijinhos

manuela disse...

Acho que já ouvi falar vagamente desta mulher.
Mas não sei quem é.
Acho que foi uma mulher bem controversa pois na altura mandavam oa homens em tudo.
Como ainda era pequena na altura do antigo regime não me lembro desta pessoa.
Vou investigar.
Obrigado pela visita no meu blog.
Beijinho
Manuela

Praia da Claridade disse...

Boa homenagem, recordando Irene Lisboa !
Também gostei de ver aqui referenciado o nome de João Gaspar Simões, um figueirense, meu conterrâneo, falecido em 1987.
Bom fim de semana.

Sol da meia noite disse...

Gostei de conhecer Irene Lisboa. Obrigada pelo que aqui dás a conhecer da sua vida e obra.
*

Pink disse...

"Uma mão cheia de nada outra de coisa nenhuma" - Irene Lisboa (a que nasceu no dia de Natal)
Ainda bem que há mais alguém que saiba apreciar esta senhora professora.
Pessoalmente, gosto deste livro de contos (o preferido: as aventuras de Rosalina). E então o título do livro...sempre me tocou.
Mais um orgulho aqui p a zona oeste, esta senhora ter nascido por cá.
Está um lindo dia de sol (mas estou de casaco vestido e com os pés gelados!)...tenho de aproveitar o bom tempo e fazer as minhas caminhadas...
Bom fim de semana...muito pink.
Até!

Papoila disse...

que me recorde achoque nunca li nada de Irene LIsboa. Vou tentar ler.

Beijos
BF

maria elisa disse...

Amiga Papoila. Grande senhora esta!como direi,um pouco arrojada para a altura,como gostei da tua sugestão de leitura,não tenho vindo por aqui,mais por causa do trabalho,pois tem sido muito duro estes dias,agora vim matar um pouco a saudade dos amigos e comentar.
Beijo de amizade linda e bom Domingo LISA

elvira carvalho disse...

Já ouvi falar muito desta escritora, mas não me lembro de ter lido nada dela.
Bom Domingo
Um abraço

Peter disse...

Ora aí está uma escritora de quem
nunca li nada. Conheço-a de nome e recordo-a vagamente como activista.
Apesar do seu preço e da minha/nossa diminuição do poder de compra, os livros novos que, com a aproximação do Natal, inundam os escaparates, são uma tentação.

Pena disse...

Deslumbrante Amiga:
Depois de ler tudo o que escreveu e não escreveu fiquei muito tempo a olhar para o nada, acredite? Silenciado somente.
Que beleza. Que pureza. Que encanto.
Não! fico-me por aqui. É brilhante. Doce. Terna. Sensível. Espectacular!

Beijinhos de grandiosa e poderosa estima, respeito, admiração e encanto.
Sempre a visitá-la, carinhosamente.

Dedico-lhe uma venerada vénia pelo que é e representa...!!!

pena

Pena disse...

Deslumbrante Amiga:
Depois de ler tudo o que escreveu e não escreveu fiquei muito tempo a olhar para o nada, acredite? Silenciado somente.
Que beleza. Que pureza. Que encanto.
Não! fico-me por aqui. É brilhante. Doce. Terna. Sensível. Espectacular!

Beijinhos de grandiosa e poderosa estima, respeito, admiração e encanto.
Sempre a visitá-la, carinhosamente.

Dedico-lhe uma venerada vénia pelo que é e representa...!!!

pena

zé (do beco) disse...

Pois é Papoila, as pessoas que pensam são perigosas. É proibido pensar neste país. Se calhar é por isso que estamos onde estamos.
Beijinho.

Paula Raposo disse...

Obrigada por me lembrares uma escritora da qual nunca li um livro. Beijos.

Luisa disse...

Só tarde li a Irene Lisboa porque a sua leitura não era aconselhável, no meu tempo...
Esta é uma boa sugestão de leitura.
Obrigada pela visita e pelos parabens deixados. Espero que continuemos a ver-nos por muitos anos.

Fernanda e Poemas disse...

Olá Papoila, passei para deixar-te um beijinho.
Fernandinha

Fernanda e Poemas disse...

Olá Papoila, passei para deixar-te um beijinho.
Fernandinha

Fernanda e Poemas disse...

Olá Papoila, passei para deixar-te um beijinho.
Fernandinha

P@tty disse...

Viva intensamente a aurora de cada dia.
Faça de cada momento um devaneio contínuo.
Torne-se mais e mais forte.
Sonhe...
E conquiste seus sonhos.
Acorde a cada amanhecer
com a certeza de que tudo poderá acontecer.
Sorria...
E consiga todos os bens que o sorriso pode lhe dar.
Pois sempre que você sorrir uma estrela há de brilhar.
Supere-se...
Seja melhor do que você já é.
Conquiste superioridade a cada dia.
Faça tudo o que você quiser.
Brilhe...
E seja brilhante até nos passos em falso que a vida dá.
Tente, tente até conseguir o que quer.
Brilhe o máximo que você puder.
Ame...
Pois o amor é fundamental.
Tenha sempre alguém ao seu lado no caminho pois,
como dizia o poeta:
“É impossível ser feliz sozinho!“

UMA LINDA SEMANA PARA VOCÊ!!!
BEIJINHOS...

Um Poema disse...

...
Obrigado pela sugestão.

Vou tentar descobrir Irene Lisboa, que não conheço.

Um abraço

mixtu disse...

há muito que não me encontrava com Irene, gostava tanto dela que prometi, na altura, dar nome a uma filha... nasceu varão...

abrazo europeo

mixtu disse...

... mas darei nome de papoila :)
yayaya, ouça lá... 13 de novembro... pode-se ser uma entrada para um apartamento à beira mar, yayaya

abrazo europeo, fui... mas não digo para onde senão vinha logo: isso faz mal ao fígado e bá blá

Isso Era Dantes disse...

Uma boa sugest�o.
Um abra�o

O Profeta disse...

Quando vieres à minha ilha quero conversar contigo em livreos...lancei um à pouco tempo...


Doce beijo

rendadebilros disse...

Sempre boas sugestões de bons escritores!
Boa semana.

minds disse...

Boa sugestão!

Boa semana e um grande beijinho

Palavras ao vento disse...

Linda e justa homenagem a Irene Lisboa!

Não li nada dela.. mas vou pesquisar mais sobre a vida dessa mulher que dignificou " a mulher" nos tempos régios!

Beijinhos querida papoila... e bem hajas!

Maria

António disse...

Querida Papoila!
Conhecia o nome de Irene Lisboa mas não a sua biografia.
Obrigado por ma teres apresentado.

Beijinhos