sábado, setembro 01, 2007

As Mulheres Do Meu Pai, leitura de Setembro

Travei conhecimento com José Eduardo Agualusa na leitura do seu último romance As Mulheres do Meu Pai e foi uma das mais entusiastas leituras que fiz nos últimos tempos…
O romance conta a história da viagem de Laurentina. Nascida na ilha de Moçambique e radicada em Portugal como realizadora de cinema, descobre que Francisco Manso um famoso músico angolano de grande talento, conhecido também pelos seus inúmeros romances e descendência (18 filhos) é seu pai… Na procura das suas raízes, Laurentina viaja de Angola a Moçambique passando pela Namíbia e África do Sul. No romance misturam-se ficção e realidade e o livro com um humor fino e extraordinário baseia-se nas notas de uma viagem do próprio autor ao lado de Karen uma cineasta inglesa, que pretende realizar um documentário sobre a música nos países do Sul de África. Laurentina vai acompanhada pelo seu namorado Mandume que afinal se chama Mariano. Filho de angolanos, em nada se sente atraído por África e considera-se mais português que qualquer um nascido em terras lusas pois teve oportunidade de escolha. Os outros acompanhantes são Bartolomeu, um primo que conhece em Luanda e por quem se sente atraída e Pouca Sorte o motorista com o seu carro Malembelembe que os conduz por uma fantástica e mágica viagem onde se cruzam com outras quantas personagens muito fortes que entrevistam durante todo o percurso. Todos eles permanentemente divididos entre a procura da sua história pessoal e a enorme vontade de ultrapassar e destruir barreiras na procura da sua própria identidade.
E nesta teia, o corno de África por pano de fundo… A sua música, a sua gente e o seu sentir, a sua cultura até à gastronomia… as cores… os perfumes… o Sol… o deserto e as suas cidades fantasma…o mar… Tudo está lá! Adorei!

…….
(Um herói à beira da estrada)

Malembelembe galgava num concentrado esforço a serra da Leba. Mandume instalara-se com a câmara de vídeo, junto a uma das janelas. Mostrava-se pela primeira vez entusiasmado com a paisagem.
- Grandes curvas!
- Grandes curvas! – concordou Pouca Sorte. – Esta nossa estrada tem mais curvas que uma bela mulher.
Os rapazes riram. Bartolomeu deu-lhe uma palmada nas costas:
- Tu acreditas na fidelidade, mano?
- Eu? Eu não! Não acredito que um homem possa gostar de uma única mulher a vida inteira.
- Ouviste tia? Esta é a perspectiva de um verdadeiro africano. Quanto a mim acho que um homem que gosta de uma única mulher é porque não gosta de nenhuma. Não há homens fiéis, o que há é homens que não conseguem ser infiéis. Ouvi dizer que entre os mamíferos só as baleias são monógamas…
- Nem as baleias! – disse Pouca Sorte. – O que se passa é que são bichos discretos.
Riram os três. Depois disto fez-se silêncio. Mandume distraído, a filmar a paisagem. Bartolomeu subitamente sombrio; a determinada altura pediu a Pouca Sorte para encostar a carrinha. Saiu para a luz forte da tarde. Acompanhei-o. Ele abriu caminho entre o capim alto, doirado, até encontrar uma pequena cruz de pedra. Na base da cruz havia uma placa em mármore. Li:

“Aqui caiu Bernardo Falcato em defesa da pátria. Repousa em paz, comandante.”
Bartolomeu encarou-me:
-Era o meu pai.
……..

In “As Mulheres Do Meu Pai”, José Eduardo Agualusa, Publicações D. Quixote, 2ª Edição, Junho de 2007, (pag. 94/95 de 382)

PARA TI UM BEIJO MEU!
BEIJOS!!

19 comentários:

Mãe e filho disse...

Olá amiga Papoila. Que bela sugestão de leitura. Bem que ando a tentar encontrar livros em Português aqui mas é muito dificil, pois estou num estado onde não tem portugueses ou pelo menos não tem quase nada de Portugueses. Obrigada pela sugestão. Se encontrar um dia esse livro irei ler com certeza. Um beijo grande.

adc disse...

A procura de identidades e raizes... Hummmm! Ocorre-nos quando temos a mente leve, desocupada... olhamos mais para o nosso umbigo.
Boa sugestão!

Bjs desarrumados

adc

http://poemasdesarrumados.blogspot.com

Carminda Pinho disse...

Ainda não o li, mas quero.
Beijinhos e bom fim de semana.

Sophiamar disse...

Exactamente o livro que estou a ler. E estou a gostar muito!"Regress�mos a Luanda, de avi�o, via Jonesburgo." P�g.271 A p�gina onde me encontro.
S� bem vinda a mais um ano de blogosfera. F�rias? Para o ano haver� mais.
Beijinhos

rendadebilros disse...

Pois estamos de volta... ao trabalho segunda... e esta sugestão de leitura está mesmo muito atractiva. Leio Agualusa apenas nas crónicas de domingo na "PÚblica" ( revista do jornal " Público") e a maior parte das vezes gosto muito dos temas e do seu estilo... Agora aguçaste-me a curiosidade ...
Douro? Também andaste /andas pelo Douro??? Onde, onde?
Bom fim de semana. Beijos.

J.G. disse...

Boa proposta de leitura de um dos bons escritores africanos de língua portuguesa.

E, já agora, referência ainda para a viagem longa e algo desgastante, (também já fiz disso em tempos!)mas sem dúvida enriquecedora.

Abraço

Meg disse...

Da "minha terra", com muitas saudades, lembro os locais, as palavras, as imagen, a vida
Também sobre África se está a escrever bem. Os autores, como Águalusa, Mia Couto e outros, são uma referência obrigatória.
Obrigada, Papoila
Um abraço

Luisa disse...

Quero ver se leio esse livro que já tinha visto anunciado e logo me despertou o apetite...

Nana Lopes disse...

Já que você também deu sua sugestão de leitura, vou anotar esse nome e procurar por aqui...

Um abraço e um beijo
Nana Lopes

Peter disse...

Nunca li nada de José Eduardo Agualusa. Mais um livro para comprar quando voltar a Lisboa, pois aqui fechou a única livraria existente na cidade!

Boa semana

zé (do beco) disse...

Olá Papoila.
Dizem que a net afasta as pessoas dos livros mas eu acho que só afasta aqueles que sempre estiveram longe. Esses também não andam por aqui, pois encontram na net outro tipo de entretenimento.
Os últimos livros que li (o último foi mesmo "A Fúria das Vinhas", de Moita Flores) foram sugestões encontradas na blogosfera e esta é mais uma a ter em conta.
Beijinho e boa leitura.

eremita disse...

os caminhos são ínvios, mas por vezes levam-nos a belos recantos. Aqui cheguei.
Sou amirador de Agualusa desde a publicação do seu primeiro livro, mas confesso que ainda não comprei e também não li este.
Se não gostasse da escrita dele, ou se a desconhecesse, a sua "sugestão" daria um valente empurrão nesse sentido.
E agora, se me dá licença, voui visitar o blog do seu neto. Cumplicidades entre avós.
Fraterno abraço

suruka disse...

Olá papoila
Interessante
Bela sugestão.

bj

Maria Elisa disse...

Amiga Papoila. Gostei desta sugestão de leitura,que nos fala de África,como eu gosto de coisas ligadas a mesma,vou tentar encontrar,pois neste momento ainda estou a ler o resto do livro de férias que foi"Sem Perdão de Julie Garwood " estou a gostar muito interesante.
Papoila beijinho fica bem,amiga.Lisa

soslayo disse...

Amiga Papoila:

Outra grande escolha de leitura esta que aqui nos trazes e dum grande escritor como Agualusa. Com toda aquela filosofia de vida bem característica das gentes de África. Esse grande continente de diversidades no tocante à fidelidade no Amor. Espero que tenhas tido umas boas férias assim como as minhas que tive oportunidade de passar aí por Ermesinde várias vezes! Um beijinho.

mixtu disse...

interessante, muito interessante
embora as mulheres do meu pai... davam um livro,,, as mulheres do velho e as arrochadas da minha mãe quando ele demorava mais de 2 dias...
yayaya
está muito calor, 2,5 euros já se bebe qualquer cousa, sem duvida...
mas insisto no coreto...
yayaya

Gaybriel disse...

Deverá ser bem interessante de lêr . :-) Obrigado pela partilha! Beijinho muito grande.

António disse...

Querida Papoila!
Tu e Moçambique, sempre!

Beijinhos

Poliedro disse...

Amiga afável:
Pela sua descrição muito exaustiva e ao fluir da pena, posso constatar que se trata de um livro fascinante de ler de uma assentada.
É Moçambicana?
Tenho amigos moçambicanos por quem sempre nutri grande amizade. Possuem uma Alma grande. Uma identidade bem consolidada, mas sempre ansiando regressar a esse país de sonho, como o designam.
Li atentamente e, parece-me, que retrata um pouco a mentalidade africana.
Gosto de ler.
Presentemente, estou a ler um livro, cuja título é "A Mensageira" de Daniel Silva, muito ao meu gosto porque se trata de um assunto desenvolvido com mistério e "suspense", uma literatura da moda designada como histórico-policial.
Como me fascinam!
Encantado por lê-la e escreve tão bem.
Beijos Amigos
pena